biojoiacolarÉ o termo utilizado para jóias que têm como diferencial, a matéria-prima vegetal, como: sementes, fibras, conchas, casca de coco, semente de jarina.

Os materiais utilizados para a sua fabricação são: a semente da jarina – Phytelephas microcarpa, (conhecida como marfim vegetal), que devido à sua dureza e cor branca, é um excelente material para jóias. Recentemente, ele se tornou uma alternativa eticamente correta para o marfim. Há o capim dourado conhecido como ouro vegetal, produzido no Jalapão no estado do Tocantins, que vêm sendo utilizado como matéria-prima; o buriti, semente de açaí, dentre outros.

O material é retirado da natureza de forma legalizada e sem causar danos à natureza.

O trabalho com biojóias requer criatividade, tempo e investimento. Esse mercado está ganhando espaço a cada dia, por conta, da diferenciação das peças oferecidas ao consumidor. Elas são produzidas com material bruto proveniente da floresta amazônica aliadas à arte da ourivesaria, e com isso, as peças vêm conquistando o público nacional e, principalmente, o estrangeiro.

As biojóias deixaram de ser, apenas, colares feitos com fibras e sementes, pois aliadas às técnicas de ourivesaria e com polimentos sofisticados, já é uma atividade que conquistou mercados internacionais.

biojoiaElas são comercializadas com países estrangeiros como: Suíça, Estados Unidos, Inglaterra e, no Brasil, os principais centros consumidores estão no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.

A consciência de que a mata não produz lixo e sim resíduos de alto valor, está tomando conta dos pensamentos, e abrindo as mentes para um universo de possibilidades.

O povo Apurinã, no Acre, é uma pequena comunidade que sobrevive também da produção de biojóias. Desde inúmeras gerações, eles utilizam o caroço do Tucumã e a linha do arbusto Carrapicho para produzir colares. Antigamente os pedaços quebrados do caroço foram trabalhados com paus e pedras e lixados com folhas do mato. Este processo ainda é dominado por muitos. Com uma nova tecnologia e visando alcançar uma escala comercial que atenda à demanda comunitária, hoje os Apurinã trabalham com vários tipos de sementes e utilizam em algumas etapas da produção, motores elétricos com discos de lixa e furadeiras. A oficina dos Apurinã, da área 45, funciona com máquinas simples, construídas por eles mesmos, as quais funcionam com energia elétrica proveniente de um grupo gerador.

Com a produção de biojóias é minimizada a migração dos Apurinã para as cidades e assim, a proteção legal da área indígena de 260 km² continua garantida e a renda da comercialização de seus produtos, supre as necessidades básicas e diminui a pressão sobre a fauna e flora da área. biojoiapedras

Bibliografia:

1.    www.overmundo.com.br/overblog/biojoia – Em cache – Similares
2.    portalamazonia.globo.com/noticias.php?idN…1 – Em cache – Similares
3.    3.ww.viladoartesao.com.br/…/a-biojoia-vem-com-tudo/ – Em cache – Similares

Posts Recentes

Assine já!

Quer estar por dentro das últimas novidades?

Não se preocupe, também não gostamos de spam ;)
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de privacidade.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Veja Também

Postagens Relacionadas

Canais

Em busca de alta!

Muitas pessoas buscam um terapeuta para solucionar um trauma, um problema, uma situação. Válido, inteligentemente válido. Contudo, começam a terapia

Continuar lendo »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Institucional