Quinta, Abril 27, 2017
   
Text Size

Pesquisa

Examinando as minhas razões

examinarCaro leitor, como está a sua vida? Geralmente, estamos tão atarefados que nem sequer nos damos conta que operamos no automático e não nos questionamos quais as razões de nossa vida. O tema de hoje deve ser bem analisado para que possamos refletir sobre ele.

Examinar, significa analisar com atenção e minúcia, observar, estudar com profundidade. Razão significa “fator óbvio de Existir(1) ”, isto é, aquele que faz ou executa alguma coisa e contribui para um resultado, compreendendo ou percebendo a nós, como Creação.

Nós como Creação, temos a capacidade de Ser a imagem e semelhança do Creador e, portanto temos a capacidade de expressar isso. Quando compreendemos que essa é a nossa Origem, tudo o que fazemos ou executamos deve contribuir para que possamos ser pessoas melhores, para que todos vivam em um mundo melhor e nossa relação com elas e com o mundo seja cada vez mais harmônica. Isto se chama evolução.

Só conseguiremos chegar nessa compreensão quando o comportamento se eleva para uma ação cujo objetivo seja a evolução. A disposição de se analisar, se conhecer e querer mudar é que nos fará dar o salto. Nessa análise temos que buscar e estudar as nossas razões.

A única identificação real é com o Creador e tudo o que fazemos, pensamos, queremos e expressamos deve concluir em realização que expresse essa identidade. A realização é a ação real que não se alimenta de ilusões, isto é, de objetivos perecíveis, de viver a vida material por ela mesma, sem um objetivo de crescimento e bem-estar geral.

Se vivemos o cotidiano sem confrontar cada decisão, cada pensamento ou comportamento com esse objetivo, vivemos como autômatos sem qualquer sentido, vamos “empurrando com a barriga” como se diz popularmente, ou com metas que não levarão à evolução.

Por exemplo, vivemos para economizar e guardar, mas não para usufruir e compartilhar para que todos se sintam bem, para de fato aproveitar a vida como oportunidade de crescimento. Tememos o futuro e não aproveitamos o agora. Não deixamos a Vida fluir e seguramos tudo, mas na verdade perdemos tudo, pois quem se fecha para dar, não se abre para receber. Apegamo-nos sem razão, pois nada nos pertence e um dia irá se acabar. O que de fato valeu foi o que nos proporcionou, o bem-estar e a convivência. Esta é a razão de tudo na vida.

Se um comportamento é inadequado, mas não é analisado os porquês até descobrir a causa para que através da compreensão possa ser mudado, a vida não tem um sentido de Ser, de alcançarmos quem de fato Somos. Escondemos do outro e nos enganamos achando que desse modo não precisaremos enfrentar o que não agrada e tudo está resolvido. Mas a resolução só ocorre quando mudamos e não quando escondemos. Se não é para sermos melhores, qual a razão de estarmos aqui?

Se ainda não temos razões na vida, não concluímos quem somos, porque estamos aqui e para onde iremos. Há muito já nos foi dito: “Conhece a ti mesmo”, isto é, saiba quem é e quais as suas razões. Sejamos coerentes em ser o que de fato Somos, filhos de Deus. Não deixemos que o tempo nos tome, mas que estabeleçamos o bom hábito de examinar as nossas razões e sejamos senhores do tempo para direcionar a vida a caminho da Vida Eterna.

Um abraço querido leitor,

Fabio Mikio Kikuti

(1) Transmitido pelo Cristo Altamiro – Paulínia 10 de Janeiro de 2003 – Psicografado por Elaine Sanches Morais

Foto: © Andriy Solovyov | Dreamstime.com

Carta ao Leitor junho/2003.

Novidades

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4