Sábado, Agosto 19, 2017
   
Text Size

Pesquisa

Aquífero Guarani

mapaUm aquífero é formado quando existem rochas, numa caracterização geológica, com porosidade e permeabilidade suficientes para que as águas que penetram na terra possam ser armazenadas e consigam se movimentar impulsionadas pela pressão existente no interior do solo.

O Brasil é um país privilegiado em vários aspectos, inclusive na existência de aquíferos com capacidade de suprir de água potável, as necessidades de seus habitantes. Dentre esses reservatórios subterrâneos, pode ser destacado o Aquífero Guarani, um dos maiores mananciais de água doce do mundo.

A água é essencial para a existência da vida. É interessante observar que como um dos elementos principais para cada ser vivo, foi distribuído de forma que muitos tivessem acesso a ela. Assim é o Aquífero Guarani. Não tem fronteiras. A água da superfície infiltrada no solo procura caminhos que se estendem por países diferentes.

Localizado no centro-oeste da América do Sul, o Aquífero ocupa uma área de 1,2 milhões de km² e abrange não somente o Brasil, mas a Argentina, Paraguai e Uruguai. Sua maior extensão, no entanto, está localizada no Brasil. São 840.000 km² que se estendem pelos Estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul.

No Brasil, esta reserva de água foi conhecida, durante muito tempo, pelo nome de Aquífero Botucatu, pois suas rochas principais são compostas de um arenito eólico, descrito e reconhecido pela primeira vez nesse município paulista. Mais tarde, pesquisadores dos países que comportam o Aquífero, decidiram por uma unificação nominal e o termo Guarani foi escolhido como homenagem ao povo indígena, pioneiros habitantes da área em que o Aquífero se encontra.

Pertencente à Bacia Sedimentar do rio Paraná, esse manancial potável formado nos Períodos Triássico, Jurássico e Cretácio Inferior, ou seja, há mais de 132 milhões de anos, tem uma profundidade em torno de 1.500 metros e uma espessura de mais ou menos 800 metros, e, a medida em que se adentra ao sul da Bacia, é recoberto por camadas de rochas vulcânicas basálticas.

O fluxo de água do aquífero é muito diversificado de uma região para outra. Isso depende da recarga, proveniente das chuvas locais, penetração e circulação interna dessa água, e também pela saída de água provocada para formação de rios e poços artesianos, construídos pelo homem.

No Estado de São Paulo é onde se encontra a melhor composição do aqüífero, pois por ter um número de rochas mais homogêneas, o fluxo é mais intenso e a água de melhor qualidade. Por isso, ele é explorado por mais de 1.000 poços. É uma área bastante vulnerável e objeto de estudos e planejamento no que diz respeito ao impacto que a utilização desse recurso provoca no meio ambiente. Suas águas ainda estão isentas de contaminações, entretanto, por ser uma área cujo solo é utilizado para plantio de várias culturas que fazem uso de diferentes defensivos agrícolas, é necessário que medidas sejam tomadas para uma redução de agrotóxicos com o objetivo de preservar essas águas.

Fontes:

www.daaeararaquara.com.br/guarani.htm

www.riosvivos.org.br/canal.php?canal=278

www.becodavelha.com/beco%2004%20-%2012%20-%20port.htm

www.daebauru.com.br/site2006/guarani/projeto.htm

Novidades

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4