Domingo, Julho 23, 2017
   
Text Size

Pesquisa

Ensinando seus filhos a orar

orarQuantos de nós já não passamos pela experiência de começar a rezar antes de dormir e nem nos lembrarmos de como terminou a oração? Por que isto acontece? Porque fomos condicionados a orar através de uma forma mecânica, na qual as palavras não nos dizem muitas coisas e apenas recitamos numa ordem que não faz nenhum sentido para nós.

Quando Jesus se retirava do convívio com os apóstolos e demais pessoas para orar, Ele mesmo dizia, na volta ao convívio, que havia ido conversar com seu Pai. É exatamente isto que precisamos ensinar a uma criança que está aprendendo a orar.

O momento da oração é o momento em que, de peito aberto, agradecemos por tudo de bom que nos aconteceu e também, admitimos as nossas faltas e pedimos forças e inteligência para não mais as repetirmos. É um bate-papo sincero com o Creador e, acho que a maioria de nós, não se lembra de ter dormido numa boa conversa com um amigo.

Um adulto não precisa verbalizar esta conversa. Ela pode ser feita mentalmente e, no silêncio entre um pensamento e outro, muitas vezes as respostas para nossas dúvidas e indagações vem.

Enquanto a criança não é capaz de verbalizar esta conversa com Deus, cabe aos pais fazê-lo por ela. Na hora em que forem colocar a criança para dormir, fazer a reflexão verbalizada de como foi o dia da criança, em todos os aspectos, saúde, convivência, aprendizado... agradecendo por tudo o que foi vivido neste dia e, na sequência, pedindo pelo que se considera necessário.

Ao ouvir a verbalização da prece pelos pais, a criança vai incorporando, o hábito de refletir sobre sua vida, agradecendo primeiro pelo que recebe e aprendendo a pedir o que realmente necessita.

Quando a fala já está desenvolvida, o pai pode pedir que a criança repita o que ele diz, para criar o hábito de reflexão do dia antes de dormir. A oração deve ser breve e fazer sentido para a criança, agradecendo pelo que ela realmente recebeu e viveu e pedindo pelo que ela necessita.

A partir dos 3 anos de idade, quando a criança já possui uma maturidade intelectual e emocional para entender o que um adulto fala, antes de dormir, o adulto deve lembrá-la de que é o momento de conversar com Deus, de lembrar das coisas boas do dia e agradecer. A partir de perguntas sobre as coisas que aconteceram durante o dia, fazer a criança lembrar-se de tudo o que foi bom, em todos os aspectos e agradecer por eles, depois, também através de perguntas, lembrar do que não foi bom, fazendo a criança refletir sobre ela e não deixar que a culpa sobre um momento que não foi ruim em outras pessoas. Depois de lembrar-se das dificuldades, levar a criança a refletir sobre onde ela poderia ser melhor e convidá-la a pedir a Deus por esta melhoria.

A prece acompanhada pode ser feita até os 7 anos de idade, depois disto, a criança deve ser lembrada deste momento de estar com o Creador, mas pode ser deixada livre para conduzir esta conversa. Uma ou outra vez na semana, a família ou um dos pais pode estar junto, para conduzir a reflexão de uma forma mais aprofundada, mas o importante é garantir os momentos de privacidade, pois orar é estar com o melhor amigo e poder contar a ele o que vai em nosso íntimo e receber dele, a força que um bom amigo dá, seja por suas respostas, seja pelo acolhimento do seu silêncio.

Bibliografia

MORAIS, E. S. Estudo. Realizado em ocasião de Reunião do Grupo Escola. IPE – Instituto de Pesquisas Evolutivas. Paulínia, 21 de abril de 1999.

Leia mais:
•    Aprendizagem da Espiritualidade
•    Sensibilidade se desenvolve
•    Cuidados espirituais para ver Deus


Foto: © Rancho | Dreamstime.com

Novidades

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4