Saúde: Glândula Pineal – Alguns aspectos físicos

Pineal

A Glândula Pineal, também conhecida como Epífise, é considerada por alguns como o órgão mais controverso do organismo humano. Seu nome deriva da semelhança que tem com uma “pinha”. Chegou a ser citada como um apêndice do cérebro, sem função. 

 

 

A ciência, porém, aos poucos vem desvendando alguns mistérios ao revelar-lhe funções, como por exemplo a de secretar o hormônio melatonina. Renée Descartes (1596-1650) chamava-lhe de “a glândula da alma”, o que faz bastante sentido quando estudada no nível exotérico, aqui no Brasil, principalmente através da literatura psicografada através do médium Francisco Cândido Xavier, pelo amparador André Luiz e de ser conhecida na antiguidade tanto pelos Egípcios quanto pelos Hindus, iniciados em práticas psíquicas.

As descrições cientificas dos últimos anos revela a sua importância na regulação de nossos ritmos circadianos (período diário de 24 horas) e a secreção dos hormônios serotonina e melatonina diretamente na corrente sanguínea, assim como o seu papel na regulação de nossa maturidade sexual. Trata-se de um afinado relógio biológico e que se prepondera sobre todas as outras glândulas de nosso organismo, o que lhe valeu também o pseudônimo de “glândula mestra”. 

A Glândula Pineal é um regulador endócrino sensível a luz e está conectada aos olhos por via neural direta, possibilitando a identificação da luminosidade. Assim, a secreção da melatonina é determinada pela ausência da luz, com redução dos níveis de atividade metabólica do nosso organismo, ao passo que a identificação da luminosidade é sinalizadora para que se comece a produzir a serotonina preparando o organismo para atividade, para o dia.

Não é à toa que as inversões de turno, noites mal dormidas e a ingestão de alimentos em desacordo com os ritmos circadianos nos trazem prejuízos que vão desde um cansaço a níveis de estresse mais altos. A psiquiatria atual aponta para a excessiva inversão deste ciclo, trocar o dia pela noite, juntamente com a exposição do cérebro a um excesso de estímulos sensoriais, quando deveria estar descansando e pôr fim a ingestão de álcool e drogas em geral, como uma séria combinação/gatilho na formação do Transtorno do Humor Bipolar. O organismo, a noite, é preparado para o repouso, o relaxamento, com a devida reposição energética, reestruturando células e com significativa diminuição na produção de cortisol e adrenalina.

É importante saber e compreender que a Pineal é afetada pelos estímulos eletromagnéticos e que a exposição no ciclo noturno do nosso aparato sensorial a aparelhos celulares, smartphones, microcomputadores, televisão no quarto, afetam-na criando fadiga, insônia e estresse. A exposição a ondas e raios já é excessiva em nosso cotidiano da atualidade, devendo ser reduzida drasticamente em nosso repouso.

A Pineal gosta de meditação, relaxamento e dos momentos de calma e prazer que nos proporcionamos, assim ela começa a liberar endorfinas e a harmonizar nossa mente. Ela também gosta de alimentos como aveia, arroz, milho, frutos e vegetais, de banana, cebola, de cereja e plantas aromáticas como a hortelã, a salsa e o tomilho. Todas são fontes de melatonina.

Bibliografia:

Autor: Fábio Baptista Mazzini

Bibliografia:

Imagem: https://cinemanafloresta.com.br/glandula-pineal/ 

Estudo de Carta ao Leitor – 21.09.07 – Elaine Sanches Morais.
Jornal IPE – Extra&Físico “O chacra coronáiro” Evilin Sanches Morais Magalhães – 02.05.09
Missionários da Luz” – pelo espírito André Luiz – psicografado por Francisco Cândido Xavier – 45.ed 1.imp. Brasília,FEB,2013.

 

 

Posts Recentes

Assine já!

Quer estar por dentro das últimas novidades?

Não se preocupe, também não gostamos de spam ;)
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de privacidade.

Veja Também

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Institucional