Nossa língua portuguesa

dreamstime 9484109Nos dias 03 e 04 de maio de 2018, na cidade de Barcelona, Espanha aconteceu um Encontro de Professores de Língua Portuguesa suas Literaturas e Culturas – Epllic – e o Dia Internacional da Língua Portuguesa foi celebrado no dia 05, com a participação de acadêmicos da Europa, África e Brasil.

Como se trata de uma língua falada em quatro continentes, por aproximadamente 260 milhões de pessoas, acredita-se na importância da língua portuguesa, porém ela ainda é tratada como um idioma secundário, isso porque, para estabelecer uma língua há limitações com imensa quantidade de variantes que são quase autônomas, como se a língua portuguesa fosse um idioma diferente em todos os países aonde é falado. Apesar do acordo feito com a Espanha, o português que deveria entrar no currículo, é matéria opcional.

Falar de um idioma é também falar da sua cultura e como muitos livros publicados ignoram isso, o Instituto Camões, financiado pelo governo Português resiste na contratação de professores sem formação na Europa, pois os cursos de português se apresentam com denominações diferentes: português europeu e português brasileiro. Tatiana Matzenbacher, professora na Universidade de Sorbonne Paris 3, considera que as aulas deveriam ser de português geral.

Como se sabe, entre o português de Portugal e o português do Brasil há distinções na fonética, no vocabulário e na sintaxe. No Brasil se diz “você, me dá um abraço”, e em Portugal, “tu, dá-me um abraço” ou ainda, o brasileiro diz “estou cozinhando” e o português, “estou a cozinhar”.

Os próprios professores temem, por se considerarem despreparados para ministrar aulas de português do Brasil e vice versa. No entanto as normas da língua pertencem ao mesmo sistema, que é ligado ao sociocultural, muito diferente do inglês que é um idioma prático de comunicação. Há quem afirme que a língua de negocio é aquela do cliente, pois desenvolve relações pessoais e políticas.

Há pouca informação sobre os países lusófonos sobre cultura, tradição, dia a dia. A doutoranda moçambicana Josefina Ferrete disse em sua palestra que é um desafio dar aula de português em um pais onde há mais de 20 línguas nacionais e cem dialetos. Mesmo sendo o português, língua oficial do país é falada por apenas metade da população.

A previsão do professor espanhol Ignácio Vasques da Universidade da Beira Interior – Portugal, diz que em duas ou três gerações, as variantes brasileiras e portuguesas podem passar a ser entendidas como duas línguas distintas. Segundo Andréia Moroni, doutora em linguística – Unicamp e sociolinguista pela Universidade de Barcelona, essa distância já aprece no mercado editorial, que contrata tradutores distintos para o mercado brasileiro e português.

Com nove países que têm o português como língua oficial, 4% da população, o mundo ainda não está convencido do seu grande valor cultural e econômico.

A economia é cíclica, ela vai e vem, no entanto o conhecimento fica, como a música, a dança, a arte de um país, tudo muito longe das questões econômicas.

Autora: Lídia Reganelli

Fontes:https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/05/lingua-portuguesa-ainda-e-vista-como-periferica-dizem-professores.shtml

Foto: arquivo IPE

 

Posts Recentes

Assine já!

Quer estar por dentro das últimas novidades?

Não se preocupe, também não gostamos de spam ;)
Ao assinar a newsletter, declaro que conheço a Política de privacidade.

Veja Também

Postagens Relacionadas

Canais

Em busca de alta!

Muitas pessoas buscam um terapeuta para solucionar um trauma, um problema, uma situação. Válido, inteligentemente válido. Contudo, começam a terapia

Continuar lendo »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Institucional